logo

» Servidoras utilizam poesia para falar de resistência

Publicado em: 25 de setembro de 2020



O distanciamento social provocado pela pandemia do novo coronavírus provocou, em muitas pessoas, um olhar mais atencioso para si. Houve aqueles que começaram novas práticas, outros retomaram projetos, alguns voltaram a atividades que adoravam fazer quando crianças e deixaram de lado por conta das responsabilidades da vida adulta. Escrever, por exemplo, foi o caminho escolhido para resistir ao difícil momento atravessado pelas servidoras Ediane Moura Jorge, Franciney (Franci) Pimentel e Camila Barbosa.

Elas, unidas a outras poetisas e poetas iniciantes, reuniram a leveza e resistências dos escritos em um livro digital. “Retalhos poéticos de uma quarentena” retrata a sensibilidade do momento através de escritas criativas, inspiradoras, revolucionárias e afetuosas.

“Em meio aos dias difíceis que vivemos, entre tantas perdas e incertezas, o projeto surge para levar poesias às pessoas, ao mesmo que dá vazão a reflexões de quem escreveu. No momento em que ficamos reclusos, foi uma forma de resistir e somar na luta contra a banalidade da morte”, diz a servidora Franci Pimentel.

Camila Barbosa, servidora xxx, conta que foi a primeira vez que participou de um projeto que dá publicidade à sua escrita. “Poesia sempre foi algo muito meu, que uso para extravasar sentimentos, muitas vezes não elaborados [risos], e dificilmente era mostrado para alguém. Vencer essa questão de colocar o que você sente para o mundo foi um grande desafio. Penso que o que me motivou foi justamente esse período louco que vivemos, sobressaltados, esperando a próxima notícia ruim no que se refere a esse des(governo) tão violento, a questão da saúde no contexto da pandemia, num cenário de desesperança, perdas e dores. E aí que a poesia  aparece como possibilidade de conforto ou indignação. Partilhar sensibilidade em poesia é resistência, é afeto”, declara a servidora.

As servidoras Francy e Ediane foram as organizadoras do projeto que reúne diversidade de pessoas  em um movimento de autoconhecimento e processos de cura.

Para ler o livro, acesse: https://drive.google.com/file/d/1tl6QTeD5bA6MVbH6JFYXw8xHXOOkSCN1/view?usp=sharing


Compartilhar:


  • Endereço:

    Rua Desembargador Ignácio Guilhon, n.º 85, 1º andar, Campina, Belém/PA. CEP 66015-350.

  • Entre em contato:

    renovasindju@gmail.com

    Telefone: (91) 3038-6503

  • Todos Direitos reservados | SINDJU-PA